O convite sustentável e afetivo do meu casamento

Marcela Rodrigues -

Convite semente do meu casamento (Foto: acervo pessoal)

Me casei em agosto do ano passado – 2016. Quando marquei a data, menos de um ano antes, minha primeira preocupação foi que as causas em que eu acredito pudessem estar traduzidas nas minhas escolhas – da  estilista +  costureira , da comida (família mineira gosta de quantidade rs e bufê do interior era incrível, mas não tinha quase nenhuma opção vegetariana), das músicas (uma mistura de canções católicas e mantras hindus!), flores naturais (e para onde elas iriam depois) e o convite.

E foi do meu convite, um convite semente, uma opção biodegradável, gentil e cheia de conexão com a natureza, do qual eu tanto me orgulho e fiquei satisfeita, que eu vim contar.

A arte, que conseguiu traduzir tudo o que citei acima, foi um presente lindocriado pela designer Patricia Trigo – amiga e dona de um olhar sensível e cheio de referências fashion (trabalhamos juntas na mesma revista).

Ele precisava ser delicado, e ter sintonia visual com o que o casamento seria – uma mistura de clássico com rústico, uma vez que a cerimônia ocorreria no final da tarde em uma igreja, e à festa seria, logo depois, já à noite, em uma salão de vidro de uma fazenda. Mas, acima de tudo, esse convite precisava ser sustentável e zero lixo. E foi.

Para envelopar, usamos porta-pratos de papel, envolvidos com de fitas de cetim que eram retalhos e, em alguns casos, arrematados com uma pérola (hum, acabei gerando um mínimo de resíduos por causa delas).

Porta-prato de papel virou envelope (Foto: Gabriel Borges)

Incentivar os convidados a colocarem a mão na terra, cultivar prana e natureza, não tem preço. E se um deles esquecesse ou perdesse o cartão, provavelmente as sementes iriam florescer em algum lugar qualquer.

Vale por um presente e um carinho, não acham?

Para o meu convite encomendei papoulas – mas estão nascendo florzinhas da espécie onze-horas. Tudo bem. A surpresa foi agradável. Mas, por este motivo, não divulgo o contato aqui, ok?

Quando as folhinhas brotaram percebi que não eram Papoulas…

 

…Eram florzinhas da espécie onze-horas : )

 

 

 

0 Comentários

O que achou? Conte pra gente!