Fernanda Paes Leme: “Comecei a mudar a minha forma de consumir pelo guarda-roupa”

Marcela Rodrigues -

Fernanda Paes Leme em gravação na casa da Sophia Abrahão em SP (Foto: Tricia Vieira)

Acredito que desapegar, ser menos consumista e comprar consciente sejam, talvez, as atitudes iniciais que mais fortalecem uma rotina de consumo sustentável quando o assunto é moda. Não adianta querer, de repente, trocar todo o guarda-roupa convencional por uma produção de peças com tecidos sustentáveis e veganas. Tecido não se recicla – para onde você mandas as roupas que não usa mais diz muito sobre sua relação com o meio ambiente.

E desapegar – ou melhor – desengavetar – foi um dos primeiros passos que a atriz Fernanda Paes Leme, deu em direção a esta nova forma de consumo. Desde o começo do ano ela apresenta o Desengaveta, programa na qual invade o closet das amigas famosas e as convence a fazer aquela limpa. Vai tudo para uma lojinha no site Enjoei, cuja renda é revertida para para a área de ações voluntárias do INCA, o INCAVoluntário. O que poucas pessoas sabem é que a Fe, mesmo não sendo uma mulher natureba, já tinha o hábito de criar bazar entre amigas com objetivo de prolongar a vida útil das roupas lindas que ganhava – e que ela reconhecida o excesso – e gerar menos lixo, sem deixar o estilo de lado.

“Temos que mudar a nossa forma de consumo. E porque não começar pelo nosso guarda roupa” – Fernanda Paes Leme, atriz.

Por causa dessa nova relação com a moda, entre outros motivos, Fernanda foi foi a capa da edição de maio da revista MANEQUIM, na qual sou editora. Fernanda não estampou nossa capa com roupas sustentáveis, até por que o DIY na moda (neste caso falo de moldes e customização) é um dos pilares do Slow Fashion. Mas ela de dicas bem práticas para quem quer dar o primeiro passo para um guarda-roupa sem excesso.

Fernanda na capa de maio da revista MANEQUIM

Aqui, compartilho as reflexões da Fernanda durante nosso bate-papo.

O DESENGAVETA
“O programa me colocou diretamente em contato com diversos closets. Alguns inacreditáveis, lotados e cheios de excesso. Antes eu olhava apenas para o meu. Olhar o do outro me abriu mais ainda os olhos do quanto a gente consome e não usa metade do que tem. Eu passei a tirar muito mais peças do meu armário depois do Desengaveta. Fico muito feliz com as mensagens de pessoas que depois de assistirem o Desengaveta mudaram a forma de comprar e começaram a desengavetar o armário.”.

NOVO OLHAR
“ Tenho me aprofundado bastante no tema. E feliz de ver que o mundo está mudando a forma de consumir. Ainda falta muito, é um caminho longo…mas muito necessário. Os recursos naturais estão verdadeiramente se esgotando. Não dá pra esperar uma atitude apenas das grandes empresas. Pelo contrário, temos que fazer o trabalho de formiguinha sabe?! Mudar dentro na nossa casa e porque não começar pelo nosso guarda roupa? Fico muito feliz com as mensagens de pessoas que depois de assistirem o Desengaveta mudaram a forma de comprar e começaram a desengavetar o armário.”

O COMPRAR
“Pergunte-se antes de comprar: ‘Eu preciso? Vou usar bastante?’. Monte, mentalmente, looks com peças que você já tem e veja se vale comprar para o novo item render. E investigue a procedência da roupa. O processo até ela chegar à loja é longo e, muitas vezes, ela é mais cara porque esse processo é respeitado de maneira justa.”

O FAZER
“Muitas vezes o valor de uma peça é tão barato que chega a ser inviável aquilo ter sido produzido de maneira correta. É preciso que as empresas de moda remunerem de maneira justa todas as pessoas que fazem parte da cadeia de produção. Desde o catador de algodão, passando pela pessoa que costura os botões até́ os vendedores das lojas. E não só a remuneração, mas também as condições de trabalho, os direitos trabalhistas e humanos…”

O BAZAR
“Ganho muitas roupas e meu guarda roupa acaba se renovando sempre. Tive a ideia de fazer um bazar para esse excesso fazer sentido de alguma forma. Meu bazar já tem quatro edições e ajudo vários projetos sociais revertendo 100% da venda.

PARA DESAPEGAR
“Faça limpas no armário e analise o melhor destino de cada roupa: pode ser doar para quem precisa ou mesmo trocar com as amigas. Não usa mais, mas ainda não quer descartar a roupa? Customize, seja tingindo, ajustando, seja aplicando algo…Use a criatividade!”

LIXO NÃO
Hoje em dia não descarto fácil uma peça porque ela rasgou ou manchou. Tento tingir, customizar, dar uma cara nova para aquilo que talvez não tenha mais a ver comigo e não precisa ser desengavetada naquele momento.”

ALÉM DA MODA
“Uma vez que você começa a consumir algo de forma mais consciente a consequência é levar para outros nichos da sua vida. Comprei uma bike para usar menos o carro e priorizo produtos orgânicos para comer em casa e por aí vai”

3 Comentários

O que achou? Conte pra gente!